“O saber a gente aprende com os mestres e os livros.

A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes”.

Cora Coralina


M. L. Verdi: "A mentira e o horror oficial, a vulgaridade e o descaso tentam convencer, com retórica lamentável, que a reforma da Previdência é uma reforma, não uma destruição".
Foucault e a voz das ruas contra a reforma da Previdência

Maria Lúcia Verdi -

Um capítulo do “as palavras e as coisas”, de Foucault, se intitula Trabalho, Vida, Linguagem.

Olho em torno e vejo os desempregados, os excluídos ao relento, e os empregados do outro lado. Separação que não se costura.

A vida se expressa de infinitos modos, louváveis (quase sempre na natureza) e revoltantes (quase sempre na civilização), e nós tentamos compreender a linguagem que sai das coisas, das situações, decifrar secretas mensagens e articulá-las com as já conhecidas, resistir ao discurso do poder, a qualquer discurso de supostas verdades.
 
Estamos na Capital do Brasil, um Brasil tão diverso do dos anos 60, uma capital pensada para ser outra coisa. No recorte que é o Plano Piloto, a vida ondula entre as árvores e os canteiros de flores, apenas perturbada pelos que expõem, a céu aberto, uma outra verdade.

A mentira e o horror oficial, a vulgaridade e o descaso tentam convencer, com retórica lamentável, por exemplo, que a reforma da Previdência é uma reforma, não uma destruição.

Nada realmente importa para eles, os Todos Semelhantes, pois para eles nada mudará.

Por que haveria de verdadeiramente importar a vida desses trabalhadores, ou desses excluídos, se nem de fato entendem a linguagem que expressam, nascida de necessidades que desconhecem.

Passam, atravessam seu tempo histórico, cumprem mandatos, nada que transcenda.

O que nos diz a vida nas ruas é outro discurso. Descaso. Revolta. Inquietude. Resistência.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Destaques

Mais Artigos