"Os votos pelo impeachment foram comprados. O Congresso Nacional

é uma vergonha. Todos receberam dinheiro, para votar assim ou assado”

Fernando Haddad


Verdi: "A fome era de água, de corpo limpo".
Avenida Paulista, três da tarde, sábado

Maria Lucia Verdi -

Observo o andar do rapaz à frente, alto, muito magro, cabelos nos ombros. A este mendigo não consigo não dar esmola, penso, enquanto retiro a nota de dois (menos crack) enquanto me pede olhando-me nos olhos, dizendo devagar tô com fome.

Vejo o grupo de rapazes ruidosos do outro lado do vão da Bo Bardi - em frente ao espelho d’água que separa o MASP do outro prédio - ao mesmo tempo em que vejo o mendigo alto ultrapassar-me e dirigir-se a eles.

A fome, me digo, era mesmo aquela, não a do pão. E encolho os ombros.

Enquanto me dirijo para a fila dos ingressos observo o grupo.  A desordenada alegria e o mendigo alto que gesticula, parece explicar serem  dois reais tudo o que tem.

Um rapaz – todos pardos, negros, uns dez – que negaceia: é muito pouco.  

Se forma uma pequena torcida entre os que apoiam o mendigo alto e os que concordam com aquele que parece dizer ser pouco. Outro rapaz, sentado no chão, oferece uma garrafa de plástico grande, com um líquido transparente ao Mendigo Alto.  

Ele bebe, agradece e continua a negociar com o que, para mim, é o chefe do ponto. De repente vejo que há um acordo. O Mendigo Alto se afasta do grupo e segue com o outro rapaz para um canto, no final à direita do espelho d’água.

Imagino que cena verei. Mas não. O Mendigo Alto retira a camisa, coloca-a sobre a bancada de cimento e deixa as havaianas no chão. Retorna junto ao grupo assim, sem ter fumado.

Atrapalho as pessoas na fila, minha atenção absoluta à cena que transcorre do outro lado do vão não chama a atenção de ninguém, só meu atraso incomoda.

O Mendigo Alto é recebido pelo grupo com sons alegres. Alguns rapazes se colocam na frente dele, não o vejo por segundos e em seguida escuto palmas, gritos e vejo água saltando no ar.

O Mendigo Alto brinca no espelho d’água. O grupo comemorava o fato de ele ter vencido a negociação. Poderá banhar-se por dois reais.

O sol na principal Avenida do Capital Brasileiro era forte e o movimento intenso.

Desde o observatório privilegiado da fila do museu, vejo algo que talvez tantos tenham visto, filmado, colocado no UTube, mas que, para mim, foi o primeiro banho a que assisti, assim oferecido a todos.  

O Mendigo Alto (o meu mendigo) era banhado por dois rapazes, aquele com quem negociara e o outro que o acompanhara até o canto.

Eles o instruíam criteriosamente nessa lavagem de um corpo. Ele alçava os braços magros (um corpo assim como o de Cristo), eles o ensaboavam atentamente, esfregavam axilas, costas, lavavam-lhe a cabeça com cuidado materno.

O Mendigo Alto submergia-se no espelho e retornava e cada vez era saudado pelos companheiros. Alegrias, o  gozo de todos.

A fome, então, era de água, de corpo limpo. O Mendigo Alto recuperava seu status de pessoa ali, naquele banho, água suja e cristalina.

Um dos dois “rapazes do banho” (talvez sejam conhecidos) se aproxima com uma grande toalha e junto com o outro (o que eu pensara ser o dono do ponto e quem sabe também o seja) envolvem com cuidado o mendigo lavado.  

Pude ver o corpo magro nu rapidamente, sem manchas. Um dos dois rapazes aproxima a calça, as havaianas que são colocadas com calma, como se impecáveis fossem.

E então o Mendigo Alto, vestido e banhado, se senta na borda do espelho d’água e o ritual se completa. Um dos dois “banhadores” chega com algo nas mãos, espalha nos cabelos do companheiro, a quem penteia a seguir com esmero. O outro traz-lhe a camisa suja de antes e ela é vestida com a ajuda dos dois companheiros.  

O Mendigo Alto e seus Ajudantes se tornam personagens medievais - um senhor e seus servos, no ato final do ritual do banho. Farto, pleno, seus gestos são lentos, talvez nem fome sinta.No Masp duas versões do Banho de Suzana me aguardavam.

Tudo volta ao normal, o meu mendigo alto conversa com o grupo, integra-se à balburdia dos jovens. Chega minha vez, compro o ingresso, saio da fila para alívio dos que estão atrás.

A cultura está no museu, não na cena que todos poderiam ter observado, onde um ethos tão nosso se expôs gratuitamente.

Nas duas representações do Banho de Suzana as cenas são bem diversas.

Em uma, apenas a bela em sua nudez, as ajudantes e a natureza. Na outra, à esquerda da tela, a inquietação de dois faunos presentes à cena, um deles com um instrumento musical primitivo; à direita um cervo deitado, as patas para o alto (morto?), os galhos da cabeça apoiados na grama e dois inesperados cãezinhos subidos em  cada lado do corpo (morto?) do cervo.

A nudez de Susana não me interessou, só o entorno. Quanto à nudez do Mendigo, sim, branca e mínima, o entorno paulista como um grande negro  vazio.

Termino a tarde vendo passar pela Avenida uma limousine negra de onde saem, por duas janelas e por uma abertura no teto, várias mocinhas vestidas de branco.

Encantadas, sorridentes, abanam para os da rua. Banhadas, maquiadas, vestidas Suzanas que só se deixam ver assim, travestidas, que talvez nem se conheçam nuas, despojadas, que talvez não saibam, nunca venham a saber o que exatamente significou desfilar em limousine aos quinze anos por esta mesma Paulista.

Destaques

Mais Artigos